Pular para o conteúdo principal

Tempo De Colégio


Que bom se a vida fosse assim, de mãos dadas, e sorrindo.
Tarcísio, irmão mais velho. Eu aqui, era a mais nova, logo depois veio o Ricardo.
Moravamos na Simão Alvares, número 59, em Pinheiros.
Meu pai trabalhava na Cooperativa Agrícola de Cotia, também no mesmo Bairro.
Morávamos com meu avô, uma das minhas grandes paixões. Ainda posso sentir o cheiro do lanche que tinha dentro desta lancheira de couro. Que saudades.
A nossa Rua, era nossa literalmente. Conhecíamos todo mundo e brincavamos nela também. Ora com carrinho de rolemã, ora tomávamos banho de chuva e na Rua Pinheiros se formava uma verdadeira piscina!
Fazíamos todas as artes possíves. Tocava campainha na casa dos vizinhos e saíamos correndo. Mascava chiclete até encher a boca e juntava o meu chiclete com o da amiga e esticavamos a goma de mascar de modo que cada uma ficasse de um lado da rua e a outra do outro, assim o carro passava, pensando que era papel, barbante ou coisa parecida. Esticava, até arrebentar e nós morríamos de rir.
Saíamos a cata de mais moedas para colocarmos mais chicletes na boca e assim poder repetir tudo.
Brincavamos de boneca, de "cabaninha" as vezes de riscar o carro dos amigos com pedra e chegamos ao cúmulo da burrice, de ecrever o nome de cada uma de nós no carro de um vizinho. No dia seguinte, o dono do carro tinha endereço certo para reclamar aos pais. O meu pagou parte da pintura de uma Kombi.
Fazíamos festa de aniversário. Era uma delícia o gosto dos doces e salgadinhos. Os bolos enfeitados que mamãe fazia. Eram lindos demais.
Meu avô diariamente me buscava no Colégio Machado de Assis e enquanto eu almoçava, ele lustrava minha maçã. Todos ficavam malucos com ela linda e brilhante.
Vovô sempre me presenteava com caixas de sapatos. Aí está minha paixão por este acessório e necessidade que não podemos dispensar.
E por aí, foi nossa vida de criança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um dia você aprende

https://youtu.be/f6Hnwx44AnU




Um dia a gente aprende que...

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, que companhia nem sempre significa segurança, e começa a aprender que beijos não são contratos, e que presentes não são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança; aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre que se l…

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão