Pular para o conteúdo principal

Meu Pai e a Velhice


Só sabemos oque é ser mãe quando temos o nosso filho.
E nesse primeiro momento do nascimento, sem mesmo termos pegado nosso bebê no colo, além daquele instante dentro da sala de parto, já sentimos o pulo que nosso coração pode dar e quanto é grande a capacidade que temos em amar nosso rebento.
Se o médico entrar no quarto e disser que a criança tem alguma coisa de anormal e que estão fazendo exames, a gente quase morre, a coluna amolece e, no entanto, o médico não disse nada demais, nós é que ouvimos a coisa errada e já imaginamos o pior. Os pais não querem jamais ver um filho morrer.
A vida é vivida e sempre digo que Deus não faz nenhuma rua de mão única. Todas as vias dele, tem ida e volta. Voce é criado pelos seus pais e depois , mais tarde, voce cuida dos seus pais. E esse momento é muito difícil.
Bom mesmo é vê-los com saúde e aproveitando a vida. Péssimo é ver seu pai ou sua mãe apagando a luz devagarinho como se estivesse acabando o gás da sua vida.
Assim estou vendo meu pai. Ele tem 85 anos, está com demência ou Auzheimer, sei lá. Hoje em dia, todos os idosos que não alinhavam uma frase, estão com esta doença do alemão.
Tentamos, aqui em casa, cuidar dele por um tempinho. Desde que se separou de minha mãe, morou sozinho. Até que percebemos que não dava mais para ele se aguentar e como um tornado, ele está vindo a cada dia, pior.
Ainda reconhece as pessoas como filhos, sua ex mulher, mas logo depois, não alinhava uma frase lógica. Emagreceu muito. Fala vez por outra do passado, do seu carro, que vai ter que viajar, e logo depois fica absorto e esquece que o mundo existe.
Hoje em dia não pede para ficarmos mais com ele.
Deixamos papai numa clínica.
Foi difícil a decisão, mas para ele, foi o lugar onde ele mais se encontrou últimamente.
Para mim, ainda é coisa muito doída.
Minha mãe tem estado sempre lá, e saímos de uma visita muito sensibilizados.
Perder um filho, pode ser terrível, mas perder o pai, é perder talvez parte da sua referência, da sua alegria, do seu aprendizado, da sua história, do seu amor, das lembranças e nesse lugar parece entrar a tristeza, embora saibamos que a vida continua. Mas a tristeza fica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…