Pular para o conteúdo principal

A Privada - Bertolt Brecht


"É um lugar onde nos sentimos bem
Tendo acima as estrelas, abaixo os excrementos.

Um lugar simplesmente maravilhoso onde
Mesmo na noite de casamento é possível estar só.

Um lugar de humildade, onde você descobre nitidamente
Que não passa de um homem que nada pode conservar.
Um lugar de sabedoria, onde voce pode preparar.
A barriga para novos prazeres".

Comentários

  1. Con eu acredito que seja o unico confissionário ,que o homem coloca todos seus problemas pra fora,ai não tem como segurar é autêntico ,fiel,visita todos os dias, entra desesperado e sai alegre,não reclama, contrário elogia a sua força, e além do mais curte o seu perfume lendo notícias,como essas são uma merda ,ficam quites.
    o melhor confissionáro é a privada ,eles não escondem nada ,dela podem confiar na PRIVADA ELA NÂO TRAI!!!!

    ResponderExcluir
  2. Entramos enfezados e saímos felizes...

    ResponderExcluir
  3. Isso me lembrou uma historia que uma amiga contava...
    Um sujeito que guardava nomes por associação ao ser apresentado para Dona Erda percebeu que nunca esqueceria o nome dela.
    Tempos depois encontrou a mulher na rua e se apressou em demonstrar sua excelente memória.
    - Como vai Dona Osta?

    ResponderExcluir
  4. Eita Fatima contando até piadinha , né?
    Vi só... kakakak Adorei

    ResponderExcluir
  5. O homem não conserva nada mesmo, nem ele próprio.O tempo é implacável e o faz virar MERDA!

    ResponderExcluir
  6. Um ode à privada! Esperto! Passo muitas horas por lá, já foi lugar de sofrimento e espera, hoje é um lugar de alívio e prazer!

    Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…