A Sedução, o perfume e o cinema...


O lugar para o primeiro encontro foi o cinema.
Tinha que ser tudo escurinho, quieto, calmo, com certo risco...
Alí onde a sétima arte faz todos os movimentos e projeta muitas vezes a vida de cada um e nós, ou ainda a vida que gostaríamos de viver, onde somos capazes de esquecer de tudo e nos trasportarmos para dentro do filme e dançamos junto com quem o representa, podemos lutar, rimos e choramos; matamos! Voltamos a ser crianças e corremos, fumamos.

Algumas cenas desperta em nós o desejo de comer uma deliciosa maçã e nos surpreendemos torcendo loucamente para o bandido, - adoramos as putas, sacaneamos nossos maridos, esquecemos dos nossos filhos, desejamos descaradamente que nosso chefe morra, e roubamos à vontade, - usamos droga, somos milionários, famosos, podres, pobres, invejosos, traidores, cantores, atletas, andamos descalços, usamos roupas diferentes - somos aquilo que bem entendemos, ninguém precisa saber, mas somos. Tinha que ser num lugar assim o nosso encontro.

Para dar maior sabor a esta sedução,
cheguei mais cedo e entrei primeiro em uma das salas do nosso filme.
A sessão escolhida foi a das quatro, de tardinha.

Uns minutos passam, e ele entra. Vejo somente o contorno do seu corpo, seu perfil esguio; elegante trás o paletó jogado nas costas e seu andar calmo, seguro sobe em minha direção... Percebo que ele também me viu, no entanto, não demos nenhum sinal um para o outro, apenas um olhar, e como se eu lesse seu pensamento deixo que ele passe por mim para subir algumas fileiras além da minha, e impossível foi deixar de sentir o rastro do seu perfume. Enlouqueci.

Dias antes, havia dito a ele, sobre aquele perfume. Aquele cheiro especificamente que provoca em mim o desejo do sexo. De fazer amor.

Sinto uma dorzinha na barriga. A emoção é latente, o medo existe. Estamos fazendo uma loucura. Uma arte! Tomo coragem, subo e me sento ao seu lado. Sinto imediatamente a sua mão na minha, os nossos dedos se entrelaçam, se roçam, se reconhecem e sem dizer uma só palavra, nos beijamos muito.

O filme começa e encostamos um no outro como se aquele colo fosse o instante mais seguro e calmo das nossas vidas.
Sinto os nossos corações disparados.

Estava de saia, sem calcinha. Suas mãos sobem pelas minhas coxas e minha mão toca nele. Nos beijamos mais e deliciosamente. Nossa respiração fica ofegante, o medo parece ir embora, tudo é tranqüilo e perturbador em nós.

O filme roda e nossa cabeça gira, fechamos os olhos e fazemos amor.

Como dois loucos, no movimento do sexo, o cinema nos trás o sonho, o impossível, a delícia do que parece estar distante e chega perto, próximo, dentro de nós.

Descansamos.

O filme não importa agora, ele vai ser bom depois, quando voltarmos sozinhos e lembrarmos da parte que ninguém viveu além de nós.

Saímos separadamente.
Andamos um pouco lá fora e nos encontramos por acaso.
Ele me convida para um café.
Nossos olhos brilham, nossa boca exala o cheiro do nosso corpo juntos, parece uma coisa só.
Vamos embora.
Um beijo comportado, um aperto de mão e mais uma vez a sensação na pele daquilo que só nós sentimos.
É a vida de cada um.
É a oportunidade única.
É o filme da minha vida. Da vida dele.
Este ninguém tira da gente.

Comentários

  1. Hummmmmmm...Muito bom...Viajei contigo neste mini-conto cheio de nuances e olhares de uma alma apaixonada...Um filme dentro de outro filme mostrando coisas do coração que transbordam à simples aproximação ou lembrança da pessoa amada...
    Muito bom, Con...Bjs cinematográfico...rs

    ResponderExcluir
  2. Viu só? Tudo é possível.
    O papel é o único lugar que depois da nossa cabeça maluca, pode aceitar qualquer coisa livre de preconceitos, paradigmas, e bobagens que existem muitas vezes para nos travar a alma. Justamente ela, que deve ser livre.

    Mais uma vez, obrigada pela visita. Pra mim isto tudo é muito bom, para saber o rumo que eu tomo nas minhas escritas.

    beijo grande!

    ResponderExcluir
  3. Conceição:
    Claro que vim correndo te visitar e te conhecer.
    Adorei, o pouco que li, mas vou voltar a ler mais.
    Também tenho ótimos filmes, só nosso.
    Uma viagem linda.
    Um beijo meu bem.

    ResponderExcluir
  4. Aninha, que surpresa mais querida... Eu também ainda vou lá te ver muitas vezes... Já Já coloco vc como blog que eu sigo. Sou meio debilitada nestas ferramentas e não sei usar nada ksksksk.

    Volte sim, porque tenho outro tipo de estílo além destas viagens malucas...

    Super beijo, e fiquem com Deus.
    CON

    ResponderExcluir
  5. Con estou abestada eu que sou loucaaaaaaaaaaa,acho que se medirmos o grau estamos juntas,que cabeçinha ,quanta coisa está atraz dos olhinhos azuis!!
    Não gosto de Puta,pegou toda minha grana!!!
    beijos...
    cris

    ResponderExcluir
  6. (Suspiros)ai,ai
    Parabens, um conto muito bom!!! Voce estava inspirada!!!
    hum... Saia sem calcinha...
    bjos lindona, saudades de vc!

    ResponderExcluir
  7. Emocionante,excitante... amei!!! Até parece uma experiência real! talvez seja para alguns(as)!!!Bem Con minha linda,aproveito a oportunidade,e te parabenizar pela excelência de suas crônicas! Te admiro muito, não pelos olhos azuis, não pelo seu sorriso tão expressivo,más pela sua capacidade de iamginação. Meus parabéns mais uma vez. Bjs Rosana

    ResponderExcluir
  8. Uau! Tá tão real que nem sei se isso é verdade que entrou na fantasia ou a fantasia entrou na fantasia que eu queria fosse realidade...rsrs
    Sei lá entende...Só sei que foi assim, ou não!
    Nem preciso dizer o que achei , será?
    Beijos Mana

    ResponderExcluir
  9. Estas aventuras costumam ser deliciosas. Foi ótimo receber você no Cadinho. Volte sempre que quiser.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  10. Legal a sua crônica, Conceição, mas me diga uma coisinha só, pra ver se acabo com a minha cândida inocência: - que raio de tipo de cinema era esse pra acontecer o roça-roça da inspirada moça e do perfumado jovem?

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. Amiga!
    O que é issoooooo?
    Este homem tem um irmão?
    Onde fica este cinema?
    Funciona todo dia?
    Tenho que chegar às 16 horas?
    Conta, conta!
    É bom demais!

    ResponderExcluir
  12. Conceição,
    o Norival perguntou o que eu tive vontade efaltou coragem: cineminha danado esse, não? Mas a imaginação pode nos levar onde quisermos.
    Já vim outras vezes, mas não comentei.
    Agora foi.
    Beijo, menina

    ResponderExcluir
  13. CON
    MEU DEUS 2X!!!!! ESTOU LENDO TUDO, E IMAGINANDO MUITAS COISAS NA MINHA VOLTA DA INDIA!!!MEU SANGUE ESTÁ A MIL, A PAIXÃO FERVENDO, A ADRENALINA TOMANDO CONTA DO MEU CORPO!!! PARA PARA PARA, PRECISO PARA!!! VAI DEMORAR O FLASH BAK COM MINHA AMADA LARA!!!!!!!
    TE AMO MINHA LARA!!!!

    ResponderExcluir
  14. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me diga dos nomes mais Lara hehehehehehe

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me diga dos nomes mais Lara hehehehehehe

    ResponderExcluir
  16. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me diga dos nomes mais Lara hehehehehehe

    ResponderExcluir
  17. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me diga dos nomes mais Lara hehehehehehe

    ResponderExcluir
  18. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me diga dos nomes mais Lara hehehehehehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Entrevista com Sérgio Viotti

Saturno, também na malha de Gianlucavacchi!