Pular para o conteúdo principal

João Carlos Martins lança livro

João Carlos Martins, pianista e maestro, torcedor ilustre da Portuguesa de Desportos.
Amigo, charmoso e casado com a Carmem que é nascida em Rancharia, terra do meu marido, Orlando Duarte.

Ele é o maior intérprete de Bach do mundo,
ou um dos maiores. Famoso na Europa, no Oriente, em todos os cantos deste planeta.

Não desiste, é forte, alegre, um exemplo de superação.
Apaixonado pela música, pela vida, pelo seu piano, que tocou desde os sete anos de idade, mas, infelizmente a má sorte não deixou com que ele tocasse para os mortais deste século XXI.

Uma série de acontecimentos afasta João Carlos Martins do seu instrumento.

Um gênio ao piano. Para nos deliciar e impressionar com sua habilidade divina, com sua única forma em tocar incrivelmente, com a rapidez que parecia acelerar as suas mãos pela tecnologia dos efeitos especias dos filmes de Spilberg. Não. As suas mãos foram mágicas e ainda são.

Hoje, depois de tanta história, consertos e dor, ele é Maestro.
Da aulas de piano tem a música na alma, no sangue, no ritmo de todo o seu corpo. É elétrico!

Não desiste, nem para quieto, anda pelo mundo com seus músicos e ainda nos presenteia vez por outra sentando ao piano para tocar algumas músicas, e mesmo tocadas com um ou dois dedos, o sentimento que passa em cada nota que aplica, consegue invadir nosso coração e dizer exatamente tudo o que a cabeça dele ouve, - e consegue nos transmitir todos as notas arrancadas da alma dele e do compositor numa pessoa só.





Para nós chega a emoção disto tudo e ele continua sendo aplaudido de pé!

Um gênio!











Comentários

  1. Grato pela visita e pelas palavras de incentivo.

    Uma delícia o seu blog: elegância, bom gosto e uma aula de redação.

    Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…