Pular para o conteúdo principal

A Bienal Vazia de Ivo MesquitaIvo Mesquita, por Marco Rossi

<http://marco.rossi.zip.net/>

Marco Róssi é artista plástico e convido que todos os meus leitores conheçam seus pensamentos, trabalho e esclarecimentos, como este que repasso à todos.


Ivo Mesquita, "pensou" uma Bienal de São Paulo batizada "vazia".

O Curador da 28ª Bienal de São Paulo, Ivo Mesquita propôs uma reflexão sobre o papel do "tradicional" evento de arte, ao mesmo tempo em que procurou fugir do que chamou de "modelo do século 19".
Esse "pensar" o levou a uma 28ª Bienal sem obras.

De suas declarações preliminares constou: "Quero fazer uma grande instalação em que o prédio fique apenas como algo simbólico". Jorge Cunha Lima, em seu blog

http://blogjorgedacunhalima3.blig.ig.com.br/2007/47/viva-a-bienal-vazia.html ,

se refere à idéia de Ivo Mesquita como genial num momento que chama de deplorável e completa: "Fazer da Bienal uma Anti-Bienal. Um exame de consciência do vazio.
Do vazio gestor e do vazio criador. E se não houver pensamento para preencher as grandes salas vazias, então passaremos da concordata artística à falência espiritual".

Mas, com a ação dos pichadores, o "vazio" foi "preenchido".

Melhor seria que tivesse sido "preenchido" por artistas.
Mas, onde faltou a arte, não faltou a ousadia.
Se ignorante ou não, não importa.
Apenas, saliento que o "vazio" não se sustenta,
já que essa condição é transitória,
ou potencial do recebimento de algo que o venha a preencher.
Imagino que o conceito do "vazio" na Bienal de Ivo Mesquita deva ter incluído essa hipótese.

Conceito sobre conceito, num ato copulativo que leva à gestação e nascimento de outro conceito. O pensar é algo inerente à arte, ou melhor, sempre o foi no tocante à sua produção. Contudo, o presente nos traz um pensar em arte diferente: aquele em que se pensa mais do que se produz. Também, pudera, nunca o tempo passou tão rápido. E, em passado assim célere, o tempo não nos dá tempo para digerir mudanças.

Ao escrever essa linhas sobre a "Bienal Vazia", me socorre o "pensar" dos artistas da Pop Art, que, ainda nos anos 1950, pretendiam idenficar o movimento à "Anti-Arte".

Contudo, sua "anti-arte" acabou no mercado de arte a preço bilionário.
Dessa forma, não há como ver algo de tão inédito na "Bienal Vazia", senão reconhecer nela um ar "déjà vu".

A idéia da "Bienal Vazia"
é fruto de um "pensar" que leva a uma obra de arte única, representada pelo "vazio" nas dependências do prédio do Parque do Ibirapuera.

Ivo Mesquita "pensou" uma "Bienal Vazia" e a levou a efeito.

Enquanto a "pensou vazia", foi dela curador; quando levou o "pensar" a "efeito", afastou do evento os artistas e se tornou o único artista participante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…