Pular para o conteúdo principal

Giovanni Bruno - Uma paixão


Foi assim que eu comecei a escrever rapidamente sobre esse dono de restaurante em Sampa, que trabalhou muito enquanto garoto para chegar a ser quem é hoje em dia. Dormiu em cima de sacos de batatas porque não tinha casa e sendo assim no dia seguinte, estava no trabalho pronto para mais um dia de luta. Disse que sentiu muitas dores nas pernas durante a vida toda... Esse homem chegou no Brasil em 1950, quando a Itália estava "sentida" e sem esperança, depois da Guerra.

Giovanni, caminhou tanto no seu propósito de trabalho em restaurante que acabou recebendo no seu Sogno Di Anarello, pessoas como Pavarotti, Rita Pavone, Roberto Carlos, governadores, prefeitos, artistas, escritores, empresários e muitos amigos que fez durante toda a vida. Foi cozinhar para três presidentes da República e por aí ele segue até hoje.

Um belo dia, amigos resolveram escever um livro sobre sua vida. O ano - 1994. O Texto é de Angelo Iacocca, a orelha escrita por um dos organizadores ( Berel Alterman )que pegou o depoimento de 14 amigos. Deixo a lista deles depois do post. A única ovelha negra da história fui eu. Um dia conto... Mas o Giovanni e o Berel, brigaram para eu ficar, e o texto foi sem correção para o livro. Meu marido estava em Helsinqui e não sabia de nada sobre minha participação.

Repasso para vocês.

UM BUQUET - NAPOLITANO
Giovanni Bruno é mais que um amigo. É como um irmão, um pai que lhe estende a mão nas horas que você mais precisa e na hora em que você nem imagina que ele está pensando em você. De repente, chega à sua frente um sinal de Giovani Bruno... É uma surpresa “sui generis” como um bolo todo enfeitado num dia muito especial ou não, acompanhado de um cartão muito lindo tecendo elogios à sua pessoa de maneira tão doce, que é preciso ler e reler várias vezes para se convencer de que aquilo tudo foi endereçado à pessoa certa.

“Geová” não é como esta “gente” não. Ele é pura emoção, é sensível, simples humilde, carinhoso e capaz de conquistar pessoas das mais diferentes classes. De artistas a políticos, dos mais famosos, queridos e conhecidos; nacionais e internacionais e tudo mais que se quiser acrescentar. Ele é desses “caras” que gostam dos mais humildes dos humanos até o mais cobiçado de qualquer área. Ele nunca se esquece de ninguém e é capaz de atravessar o salão do seu restaurante alegre, aconchegante, italiano, quente, cheiroso... temperado – com uma folha de alface na mão para oferecer à “moda italiana” para a esposa de um governador ou para a namorada do Pelé, ou ainda para alguém que está chegando lá pela primeira vez.

A Itália e o Brasil são representados pela pessoa mais “temperada” que conhecemos o nosso “Geová”. Ele é a cara de São Paulo. Ele é a cara da Itália, com um coração mais que brasileiro. É um homem forte, capaz, respeitado, respeitador, cheio de valores e é também o mais chorão que eu conheço.


chora por amor, por alegria, por amizade, por dor, por tudo que nos envolve. Ele é um torcedor por você. Ele, sozinho, guarda dentro de si a emoção de todos os times de futebol da Itália e do Brasil, juntos. Giovanni é um amigo como dificilmente se encontra durante uma vida.

Desde o início de sua carreira, como um exemplo de garçom desenvolveu sua sensibilidade agradando seus clientes e os conquistando em primeiro lugar pela boca mas, atingindo direto seus corações e suas almas.

Ele é o único no país que se dá ao luxo de não receber para almoço e não abre jamais nos finais de semana. Dá férias coletivas aos seus empregados, e no primeiro dia de seu retorno, a casa funciona como se a chama daqueles fogões que cozinham a comida que ele faz, jamais tivesse sido apagada e pode-se sentir lá de fora, além da fila, o cheiro do tempero, do tomate, do manjericão e do basílico que passa pelo meio das fotos e das camisetas queridas que enfeitam também sua casa.

Este homem faz coisas que só admitimos que ele as faça. Mais ninguém sobre a face da terra tem este direito. O nosso italiano brasileiro, mais que querido, cheiroso e vaidoso, anda entre as mesas de seu restaurante recebendo seus clientes e amigos só e unicamente pelo prazer e amor de rever pessoas que o conhecem há 30 ou 40 anos e , portanto, sabem muito bem os caminhos difíceis que ele percorreu para fazer de todas as noites, uma verdadeira festa. Nos seus olhos, como uma criança, a novidade de novos clientes, de novos “Momentos”. No seu coração, um enorme pedaço bate por sua filha, e agora, ele todos bate mais forte que um pandeiro de sambista em sua escola de samba, por seu neto. Essas são suas vaidades e a constante renovação de sua vida.


É esse Giovanni que São Paulo tem. Que São Paulo precisa conhecer mais, conservar, reconhecer e, “de quebra”, homenagear, dando-lhe um lugar em cada coração daqueles que dizem ser seus amigos. “Geová” merece a nossa fidelidade, nossa amizade, nosso prestígio e respeito, porque chegou aonde chegou, machucando muito suas mãos, dormindo tarde, trabalhando duro e cansando suas pernas. Mas, com certeza, foi a soma de todas estas coisas que fizeram deste homem um romântico eterno. Um sonhador que adora cantar, que adora ouvir um amigo falar, que olha para uma mulher com todo o respeito e que parece estar ( quando não está mesmo ) sempre com rosas na mão. É um gentleman. Quando gosta de alguém, entrega-se de corpo e alma. Confia nas pessoas e é um apaixonado por crianças e idosos. Conhecem alguém assim que não é boa gente?


O que mais possa falar de Giovanni Bruno, de quem tanto gosto e admiro? Esse Gigante Sonhador... De Anarello. Desejo a ele toda a felicidade e saúde do mundo! Que Deus o faça lúcido por muito tempo e que seu cuore seja forte, para podermos aprender com este pequeno grande “Geová”, que, além de tudo tem a gargalhada mais engraçada e escandalosa que um napolitano já teve.


Quero guardar dentro de mim esse “Geová”, que conheço e de quem gosto. Quero tentar passar a todos um pouco desse amigo que Deus que me presenteou através das mãos carinhosas de meu marido Orlando Duarte. Tenho certeza de ter aprendido com ele muitas coisas, principalmente a entender que “a vida são momentos”.

Entre champagnes, óperas, macarrão, gente, amigos, desconhecidos, molho de tomate, orégano, basílico e manjericão, - ninguém mais que “Geová” merece da gente uma homenagem, um reconhecimento. Na verdade, mais que uma vez, é ele quem nos homenageia com as história de sua vida. Absorvam tudo em fogo baixo, porque a vida dele, sem duvida nenhuma, será uma lição de vida para todos nós.
Depoimentos de:
Bendito Ruy Barboza
Carlito Maia
Juca Chaves
Orlando Duarte
Paulo Natanael
Vicente Amato Neto
Oscar Ulisses
Nair Belo e Irineu Souza Francisco
Fernando Coelho
Silvio Lancellotti
Ignácio de Loyola Brandão
Mino Carta e eu,
Conceição Foglio Duarte

Comentários

  1. Semeia de flores teu chão
    E abre a janela aos perfumes do ar,
    E esquece tua porta entreaberta,
    Porque na hora certa
    Verás teu poeta surgir
    E entrar e abraçar-te chorando
    E amar-te até quando
    Tiver que partir.
    um beijo

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma grande admiração por toda pessoa que vence pelo seu trabalho..
    Giovanni é realmente um homem que me passa isso..
    beijos
    otimo final de semana

    ResponderExcluir
  3. Oi Con!

    Adoro histórias feito a de seu amigo! De gente que nasceu sem tantas oportunidades e as criou.

    Porque temos a mania de achar que só vence a matéria quem tem certos privilégios, e usamos isso como desculpa para nossa preguiça!

    Eu não tenho a fama do Giovane, mas também me dou a certos luxos no trabalho, só atendo cinco pessoas por dia, para que estes sejam atendidos com qualidade, e só no horário que funciono melhor das 16H as 20h.

    Não sou rica, é claro! Mas meus clientes terão o melhor de mim!

    Bjão! E parabéns pelo texto. Mande também o meu parabéns para o Giovane, talvez um dia, se for à São Paulo, o visite em seu restaurante, já que ele parece ser um homem simples!

    ResponderExcluir
  4. Uma bela homenagem minha querida!
    Admiro quem vence com o suor do trabalho...é dignificante!
    Aproveito para te deixar meu beijo e o desejo de um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. Sómente as pessôas que começam desde o "começo", desde o mais baixo, como este Exmo. Sr. Giovanni, e com muito trabalho e esfôrço väo construindo a sua vida, valoram verdadeiramente o que têm.
    Porque sabem o que vale. Ninguém presenteou nada.Tudo foi a base de muito trabalhar.
    Por isso êle trata täo bem aos seus trabalhadores, porque sabe na sua pele o que se sente.

    E por isso trata aos seus clientes como verdadeiros VIP, porque sabe também o importante que säo. Sem êles, näo há negocio.
    Minha admiraçäo para este homen e Empresario.
    Um bindis chin, chin!!!

    ResponderExcluir
  6. Conceição, minha amiga.
    Antes de mais quero agradecer a sua visita, passo agora a dizer-lhe onde se situa a AFURADA:
    Penso já ter lido aqui que a CON visitou o Porto, assim sendo, por certo que desceu à marginal, ou seja à RIBEIRA do Porto. Do outro lado do rio fica a RIBEIRA de Gaia com as Caves do Vinho do Porto etc. Continuando na marginal de Gaia no sentido da Foz do Rio Douro, ao fim de tres quilómetros surge-nos uma Vila Piscatória em forma de presépio para quem a vê do lado do Porto. Aí tem a nossa AFURADA.
    Dado que moro por perto, raro é o dia em que não ande por lá.

    ResponderExcluir
  7. Emocionante e vitoriosa história de vida. É muito bom ver exemplos assim por aqui.
    Parabéns pelo post mana.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  8. Se duvidas de ti mesmo ?estás vencido de antemão .

    Beijo querida amiga.

    ResponderExcluir
  9. Oi con!

    Não estou sabendo nada do blog e vc foi a primeira a reclamar, não sei como lhe ajudar a vitar-me. Mas peço que tente mais tarde e me avise, qualquer coisa. Então eu falarei com o pessoal do Blogger.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Eu o conheci lá no Giovanni Bruno, no Viaduto Jaceguai, se não me engano, pertinho da Sinagoga e do Ferro's Bar. Ele servia vinho com pedaços de pera para meu grupo. Um vencedor. Elza

    ResponderExcluir
  11. Pessoa incrível esse Giovanni...quando assistia muita TV, ele sempre aparecia no Amaury Jr e outros mais...Certa vez o meu pai recebeu uma comenda no restaurante dele e vimos o homem de perto, um sujeito muito alegre e divertido mesmo como você. Bela homenagem! Beijo

    ResponderExcluir
  12. Conceição,

    Estou deixando meu comentário nesta postagem, aliás, um excelente texto, porque teria que escolher uma dentre tantas postagens tuas, para dizer que tenho lido o que escreves.

    Uma boa semana.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…