Pular para o conteúdo principal

Pão duro, ou doente mental?

Meu Deus, cada uma que me contam, que fica difícil de acreditar.

Um amigo meu, muito querido, bonitão, loiro de olhos azuis, presta serviço em tecnologia. O cara é um craque. Super solicitado. E como, muita gente sabe, eu adoro saber sobre os relacionamentos e sempre converso com ele, sobre o tratamento dele com os clientes.
Enquanto o trabalho rola, o papo também rola, e ele passa por muitos sufocos!

Para você ter idéia de como é este meu amigo, te conto, que - ele é tímido, educado, divertido quando está perto das pessoas que gosta, e apesar de a vontade, sempre se posiciona de forma profissional.

Nos nossos papos, o que ele tem de mais maluco é um bendito cliente, que o recebe em sua casa muito bonita, e que tem família no formato tradicional, mas... O canalha, sei lá porque cargas d'água, o recebe sempre assim: Deixa em cima da pia, uma carninha, ou petiscos descongelando. Ou seja, ele está se preparando para comer ao lado do profissional. Do lugar de onde fica o Eduardo, meu amigo, ele consegue ver um pedaço da pia, e a geladeira do seu cliente, que começa a fritar uns nugets. ou coxinhas, pastéis, depende da sua vontade. E quando prontos, abre o freezer, tira uma cerva bem geladinha. Eduardo que chega da rua, trabalha, e sente o cheirinho de tudo que está por vir... O cliente trás a cerveja estupidamente gelada, abre a lata com o barulho tradicional que induz à cede... TIZZZZZZZZZZZZZZZZ! E come a vontade seus salgadinhos, toma sua cerveja, e ainda comenta que ela está geladinha, demais! Porém, o maluco, não tem a delicadeza de oferecer ao Eduardo, nem o salgadinho, e nem tampouco, uma água, ou um refrigerante, caso ele pense que com uma cerveja, possa embebedar Eduardo.

Tímido como ele é, nós rimos muito com este comportamento do maluco cliente. Mas, além da falta de educação do comilão, e de toda a casa, nós não conseguimos entender o que é que faz um maluco, se comportar assim.

Sempre pergunto ao meu amigo, porque é que ele nunca pede nada ao cara? E Eduardo diz que jamais pediu nada, nem um copo de água.

O que você acha?...
Ele é um pão duro?
Um grosso?
Um doente mental?
Um cara daqueles, que já passou fome e quer tudo pra ele?
Gosta de provocar o cara para ver se um dia ele também pede? É Sádico?
Ou é daqueles que trata todo mundo como empregado e dane-se o mundo?
Se o Eduardo pedir um copo de cerveja, o que será que ele faz?
Isto é ser ruim?

Ajude a gente a resolver está questão, pois não da para entender.
O cara é rico, paga direitinho pelo serviço prestado. Mas surta na hora da comidinha...
É mole, ou quer mais?



Comentários

  1. O cliente nao é pão duro, grosso talvez.Um egoista, nao se sente na obrigaçao de ser gentil com o prestador.Um pouco sádico sim,"eu tenho, voce nao". Resumindo, um pé de boi.

    O Eduardo nao tem que pedir um copo de cerveja, aliás com um cliente assim, não tem que pedir absolutamente nada! Tem que fazer serviço dele direito, e cobrar bem caro.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que esse cliente tem um sentimento de inferioridade e pra isso precisa fazer isso pra se sentir superior ao outro. Precisa se mostrar, aparecer, achar que está sendo melhor, ou que está numa posição melhor que o outro. Com isso, ele perde a noção do que é ser bem educado, gentil. Na verdade, pra mim uma pessoa assim precisa de tratamento. E que o Eduardo cobre bem caro dele...rs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…