Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Sérgio Viotti


O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minha direção, que não conseguia parar de chorar, para saber exatamente o que eu estava sentindo. Foi difícil de conter e explicar o que eu acabara de viver. Enquanto isso, outros repórteres pegavam outras pessoas para entrevistar, e também o Sérgio que mal conseguia sair do lugar, depois de um belo banho e pronto para comemorar a noite de sucesso, porque as mulheres, algumas, chegavam perto dele, e beijavam sua mão, como se ele fosse mesmo o PAPA!

Ele muito delicado ria um pouco constrangido... Deixava rolar, nem dava tempo de explicar, ou argumentar absolutamente nada! Até que uma senhora se ajoelha e pede para beijar suas mãos! Dorival que sempre cuidou dele com enorme carinho, se divertia e desta vez, pediu “por favor”, para que a senhorinha não se ajoelhasse!. Aí era demais!

E continuo eu...
O relógio disciplinador de encontros formais apontava acanhado que já se passava da meia noite. Constrangimento lógico dessa invenção denunciadora de horários, pois, o apartamento é de Sérgio Viotti e de Dorival Carper, e se existe lugar no mundo em que horário não é bem visto é neste cantinho mágico, onde poesia, música, champagne ( Tatinger é a preferência de Carper ), vinhos ( tintos de Nuits St Georges, a predileção de Viotti), aliado ao menu degustation do Chef Carper, sublimam a vida, e não apenas um espaço de tempo. É claro que a entrevista aconteceu já na madrugada, sob a vigia de quadros, esculturas livros, objetos, onde tudo faz sentido, nada é por acaso, cedendo a impressão de estarmos no meio de uma história, e a medida que nos envolvemos mais com aquela atmosfera quase lúdica, percebemos que estamos participando mesmo de uma grande história, de amor, entre Viotti, Carper, “Modus Vitae”e a vida.

Vou deixar aqui, todas as perguntas que fiz a ele, sem obedecer a ordem original da entrevista. Vocês poderão perceber um pouco desta cabeça recheada de cultura e de conhecimento.

A maior qualidade de Sergio Viotti?
“A minha fidelidade em todos os sentidos”

Fala a sua idade?
“Claro, 79. É um milagre! “

Um filme que mexe com Você.
“Sou saudosista e adoro “E o Vento Levou”. Tenho a fita e amo. Conheci Vivian Leight, linda, mas chatérrima!!!"

Um país. “A Inglaterra” ( Sérgio morou por lá muitos anos de sua vida, foram mais de 14).

O que te dá mais prazer de fazer?
“ Escrever. Foi o que sempre mais gostei de fazer. Lembro-me de uma vez, eu tinha 16 anos, e estava na casa de meu avô Manoel Viotti. Ele tinha uma máquina de escrever “Royal” e não deixava ninguém perturbá-lo enquanto datilografava, porém, minha companhia não lhe importunava. Eu ficava encantado no maior silêncio, e num belo dia ele me disse: “quer aprender a datilografar?”. Respondi mais que depressa que sim! Ele então me ensinou, e muito mineiramente me usava para bater os verbetes do seu dicionário. Vovô foi quem escreveu o primeiro dicionário de gíria brasileira. Eu achava aquilo uma Glória, pois estava colaborando com vovô, isso era mesmo o máximo! “


Você tem irmãos?
"Sou filho único e não sei se feliz ou infelizmente. Eu detestaria ter um irmão burro; iria ignorá-lo! Tenho horror à estupidez humana, `a burrice. Tenho alguns parentes que eu não posso nem ver, quanto mais ter um irmão, ou irmã desse tipo crescendo ao meu lado, que eu teria que agüentar a vida inteira. Deus me livre!"


Timedez é coisa comum entre os atores, você concorda?

“É verdade. Essas pessoas que se dedicam a essa coisa do representar, do ser artista, essas pessoas são mais tímidas, umas das raízes que faz com que você seja ator é de fato a de você poder se despir de você mesmo."

É preciso ter coragem para interpretar?

“Não, não! É uma coisa que você sabe fazer. Você vai, - e faz! Certa vez perguntaram ao Anthony Hoppinks, que eu acho um ator espantoso, como é que ele criava um papel. E com aquela cara bem descofiada ele disse: “Eu sou um ator! Dão um papel, eu leio, eu faço! “ É apenas isso. Essa gente fala as coisas de maneira simples, com enorme clareza, e que todos entendem."

Explique sua paixão por Shakespeare?

“Posso explicar com cinco palavras?"

"Porque ele é muito bom! Não tem outra explicação. Sempre digo que tudo que não está na Bíblia está em Shakespeare, e tudo que está em Shakespeare está na Bíblia.”

A cidade que mais gosta?
"Londres."
Entre Rio e Sampa?
"São Paulo!"

Uma mulher?
"Dulcina. Ela é a síntese. É mulher, professora, foi freira no palco, prostituta.”

Um homem..
“Jesus Cristo”

Um sonho
"Não tenho, nunca tenho, é uma coisa abstrata demais."

O que menos gosta em você?
“A minha preguiça “

Um prato predileto
“Uma macarronada a bolonhesa – comeria todos os dias”

Música
“The way you look tonight”

Dos livro todos que você tem, qual especial?
"Todos! Não dou e nem empresto nenhum deles."

Você nos disse que não fez nenhum curso de interpretação. Como pode? E como você vê isso nos dias de hoje?

“Para ser um artista antes de tudo tem que ter uma coisa que se chama talento! Se você não tem, não insista. E talento é uma coisa que Deus dá. É inexplicável."

Entre Rádio e TV, qual você escolhe?

“Talvez eu goste um pouco mais de rádio. Sabe por quê? Em televisão quando sai alguma coisa errada a culpe é sempre sua. No rádio funciona diferente. Agora veja bem, meu envolvimento com o rádio foi inesperado, não foi planejado. Não fui fazer rádio na Europa. Eu fui à Europa! E a maneira de ir ao Velho Mundo era fazer rádio lá. Outro fator determinante se deu em razão do meu ingresso na BBC que não era uma rádio comercial e sim cultural, isso me ajudou bastante. A BBC ensinou-me mais que fazer rádio, me descortinou para a vida artística."

Sérgio,você foi filho único e optou por não ter filhos, por qual razão?

“Penso que se tivesse um filho nunca mais dormiria. Sou uma pessoa obcecada com várias coisas, uma delas é exatidão, outra é perfeição, outra é integridade, enfim, se meu filho ou minha filha não correspondesse exatamente a tudo aquilo que eu exigisse, ou eu me suicidaria, ou nuca mais dormiria. Esse é o tipo de temperamento de um Viotti. Isto é um segredo dos Viotti. Tenho uma prima que falo com ela todos os dias da nossa vida e nos divertimos muito. Pensamos exatamente igual. Às vezes ela diz assim: “Hoje estou tendo uma das minhas Viotadas”. E eu sei exatamente o que ela está dizendo."

O que é Dorival Carper para você?
( neste instante, ele respira fundo, pensa, e com sua voz macia e calma faz chorar o meu marido, e nossos amigos em comum, Antonio Carlos Nascimento e Carolina Nascimento)

“Dorival é meu amigo, meu irmão, meu pai, meu conselheiro, meu colega, meu produtor. E isso há 44 anos ( Pausa). Eu não seria exatamente a pessoa que sou hoje, se não fosse ele. Sempre me ajudou, enormemente em todos os momentos da minha vida. ( Sérgio aponta Dorival que também acompanha a entrevista) sempre me deu um grande apoio. Quando tive problemas grandes como a doença de meu pai, doença de minha mãe. Nós somos mais que amigos e irmãos. No fundo no fundo, somos uma pessoa só! Nos ajudamos e nos respeitamos um ao outro de uma tal maneira, que eu acho um privilégio ter encontrada na vida uma pessoa como Dorival."

Sua veia artística vem da sua mãe?
“Não. Não. O amor pela arte, pela música, a paixão pelos livros e a pintura, herdei dos Viotti ( família do pai). Minha falação sim é dos Silveira...falam demais. Você tem que implorar de joelhos para um Silveira ficar quieto. Todos os Viottis que eu conheci e conheço tem um lado artístico marcante; não necessariamente sendo um profissional."

A sua crítica sobre a peça “O Balcão “ é maravilhosa e é considerada uma obra de arte. Dizem que ela supera a peça! Como é isso?

“Isso foi em 1971. Fui convidado para fazer a peça, mas como tenho medo de altura acabei recusando. Esta obra do escritor e dramaturgo Frances Jean Genet ( 1910 – 1986) contava com cenografia consubstanciada de um espiral de ferro vertical, uma espécie de elevador representando um palco de acrílico , que subia e descia. Foi um dos espetáculos mais extraordinários que eu vi em toda a minha vida. Não fiz a peça, mas fiz a crítica."


E assim, foi concedida a entrevista para mim, ao lado de meu marido e um casal de amigos, com a maior tranquilidade. Vez por outra davamos uma gargalhada, tomavamos mais um vinho, e saímos de lá, muito tarde. Os dois nos receberam com a maior classe! Assim, normalmente, como eles sempre são. Um encanto! Um presente.

Comentários

  1. Uau!!!! Que maravilha de homen e que maravilha de entrevista.
    Está muito completa, para poder conecer o homen que há debaixo do artista, sus preferencias, sua vida, seus pensamentos, suas opoiniöes...
    E como ator, eu näo conheço, mas estou segura que, olhando tudo o que você escreveu, deve ser igual de importante que como homen.
    Mas eu qcho que o melhor da entrevista, do reportagem, foi a humildade de este artista.
    Parabéns, amiga.
    Um beijinho grande

    ResponderExcluir
  2. Impressionante como me identifiquei com vários aspectos da personalidade do Viotti. O teatro curou minha timidez, que era absurda. repito o comentário do post anterior: privilegiada você por esse convívio.

    ResponderExcluir
  3. Adorei!
    Que bom conhecer um pouco mais de um artista tão talentoso como Sérgio Viotti e seu fiel "escudeiro" Dorival, sob seu olhar. Parabéns!Beijos mana

    ResponderExcluir
  4. Charme, não encontrei o seu comentário que aprovado está, claro, mas não sei em que assunto... Menina não o vejo, mas pode me escrever para conduarte@gmail.com

    Um grande beijo, CON

    ResponderExcluir
  5. Muito boa a entrevista Conceição!!!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  6. MUITO BOA!
    Vou colocar o link no e-mail dos ex-alunos de Teatro da UNIRIO!
    BJS!

    ResponderExcluir
  7. Menina, fiquei encantada! Fizeste ótimas perguntas e ele é sensacional! Parabéns!

    Vai nlá em casa que tem um desafio pra ti.

    Bjim.

    ResponderExcluir
  8. Conceição
    Depois desta brilhante descrição até parece que já conhêço esta Actor de que nunca tinha ouvido falar.
    GENTE GRANDE é assim mesmo, como que pedindo dsculpa por existir...!
    Obrigado pela postagem, e também pelas sempre amáveis visitas.
    Beijinhos
    G.j.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Con,

    passei só para deixar um beij....rsrsrs brincadeira, linda. É que ando naquela fase sem tempo, e lí tua bronca lá na Nanda sobre quem passa só para deixar um beijo...rsrsr prometo, nas fases sem tempo , não deixar nenhum mimo , tá bom?

    beijo, querida.

    ResponderExcluir
  10. Conceição...
    Boa noite!!!
    Seguir um blog como o seu deve ser apaixonante...
    Sou nova neste mundo...
    Mas estou encantando-me...
    Seu blog inteligente desperta interesse extraordinário por aprendizagem...
    Intelectual, informativo mas despojado...
    Esta de parabéns...
    Vou adorar estar sempre aqui...
    BJKS...
    Chrys
    ;)

    ResponderExcluir
  11. Con, näo sei se você conhece, esta semana en Sevilla (España) têmos uma das festas mais bonitas e coloridas do ano.
    A feria de Abril de Sevilla.
    Se quizer vir no meu blog, podemos tomar uma taça devinho branco manzanilla, bem frio e até dançar umas sevilhanas.
    Te espero, tá?
    Um beijinho

    ResponderExcluir
  12. Olá amiguinha, vim até aqui pelo Blog da Céu que conheço desde que eramos jovens.
    Adorei o teu Blog, esta mensagem do que relataste do teatro, que assististe, da excelente interpretação do actor que fez acreditar que era mesmo o Papa e a tua extraordinária entrevista, fez-me passar aqui um belo momento. Simplesmente fantástico!!! Parabéns!
    Se aceitares, gostava que assinasses o meu Guestbook, assim ficas a conhecer-me também:-)
    Um grande beijinho levado nas ondas do Atlântico que nos separa,
    Ana Paula

    ResponderExcluir
  13. cONCEICAO


    penso como o Marcos. Que homem interessante, viu?Fiquei apaixonada por ele.Que mulher nao se apaixonaria por um ser desses?=tudo de bom

    Olha, muito obrigada por toda forca que vc está dando. Obrigada mesmo.bjs e dias felizes
    www.graceolsson.com/blog

    ResponderExcluir
  14. muito boa entrevista. parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Puxa, como é bom conhecer Sérgio Viotti atrvés de você e tua ótima narrativa! Beijo

    As casas sonham.
    A cidade dorme.
    Eu e meu cão
    vagamos pela noite.
    Ele bebe as estrelas
    refletidas
    na água que a chuva
    deixou pelas calçadas.
    A lua e o silêncio
    me alimentam.
    É minha a noite.
    A minha alma canta.
    ___________________________
    Sônia Brandão

    ResponderExcluir
  16. olha...vc deve ser mesmo muito especial por ter convivido com esse paradigma-sergio, que acaba de nos deixar orfãos de sua cultura de sua imensurável sofisticação...a primeira vez que ouvi a VOZ dele, foi na radio cultura...eu era um moleque...foi um baque! naquele momento eu soube que estava passando por uma experiência única...a voz dele era o reflexo de como o mundo deveria ser...com ele aprendi a apreciar mozart, pehrlman, brahms...callas...que falta..que saudades!...um abraço enorme em dorival...paz!

    ResponderExcluir
  17. Magnífica entrevista! Sérgio era um ator de talento inconfundível,além de um singular cultor das artes e da vida.

    ResponderExcluir
  18. SERGIO VIOTTI, UM HOMEM INTERESSANTE, SOU BEM JOVEM, MAS ASSISTI ALGUMAS NOVELAS EM QUE ELE PARTICIPAVA.
    ELE É UM HOMEM DE SORTE, POR TER ENCONTRADO UM NAMORADO E AMIGO Á ALTURA.

    PENA QUE ELE SE FOI, VAI DEIXAR SAUDADES

    ResponderExcluir
  19. Sérgio Viotti sempre foi o meu melhor e mais querido amigo. Doce, terno, cúmplice, sábio, companheiro... o que mais eu posso dizer dele? Ah, que tornou a minha vida mais glamurosa, sim, claro! Como sabia ser encantador!!!!!!!!!! Sofri muito quando ele se foi, até pq um pouco antes perdi meu marido também. Eu e Dorival trocamos algumas/ muitas lágrimas pelo telefone. Acabei de ler a sua entrevista com ele e... o que é aquela resposta sobre o Dorival? Quanta emoção, verdade, quanta sensibilidade! Dorival merece e sabe disse. Sabe também o quanto eu amava perdidamente os dois. É isso, só quis mesmo fazer um registro. E de repente fiquei morrendo de saudades dele, deles, enfim, de tudo que vivemos juntos. Obrigada pela atenção. Um beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Um dia você aprende

https://youtu.be/f6Hnwx44AnU




Um dia a gente aprende que...

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, que companhia nem sempre significa segurança, e começa a aprender que beijos não são contratos, e que presentes não são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança; aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre que se l…

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão