Pular para o conteúdo principal

Roberto Carlos, o nosso Rei.

Durante muito tempo em minha vida curti Roberto Carlos.
Bom tempo aquele da Joven Guarda.
Algumas vezes fui vê-lo de pertinho e também imaginei como seria Roberto Carlos na intimidade.
Gosto de sua voz. Suas composições são suaves e as letras simples, falam sempre de amor, da mulher... Fácil gostar de Roberto Carlos.

A Globo, ou sei lá quem, mantem uma grande distância do Roberto Carlos e seus súditos a ponto de imaginarmos coisas a respeito dele. Quem é o cara? Como será que vive? Quais são seus costumes, e como será um dia de domingo ao lado dele?

Nunca nos deixaram saber. O ídolo carrega no pacote "fama" a coisa do mistério.

Agora, o nosso Rei Roberto Carlos envelhece. Está mais gordinho, cortou os cabelos, podemos ver sua orelha, sua pele puxada, e percebemos que o tempo passou (também) para o nosso ídolo. Roberto nunca foi bonito, mas charmoso. Não envelhece como um Sean Connery que se mantem bonito. RC está feio, mas... mais próximo de nós.

Na entrevista do Jô, ele começou desconfortável, e logo em seguida estava à vontade, tive a sensação de estar com ele na nossa sala de visita num domingo qualquer. Não acreditei quando ele contava as histórias dele com os insetos e bichos como o sapo numa estrada em Miami, a libélula que levou para Curitiba, a lagartixa que mora em sua varanda, as outras babys que entram em sua casa e que dão trabalho a ele... As formiguinhas "loras" e o lance da porta da Igreja fechada. Amei o elogio que dispensou a Ronie Von. Enfim, foi muito bom ver RC, como um homem e não apenas cantando num cenário distante de nós.

Claro que não é possível termos nossos ídolos no sofá da nossa casa, mas não deveriam eles terem esse medo de chegar mais perto do seu público que afinal, é merecedor de seu reconhecimento, e nada melhor do que essa aproximação. Afinal, depois de um tempinho de entrevista, ouvindo suas histórias, observando seu jeito, curtindo mais uma vez suas músicas, lembrei de um ditado que minha avó sempre dizia que era o seguinte: "Quem ama o feio, bonito lhe parece"

Comentários

  1. Oi Conceição
    Hoje estou dando umas passeadas por aqui rs e nao me contenho em comentar seu post simpatico!
    Falou bem sobre como Roberto Carlos envelhece e tem a vida tão longe dos fãs. Naturalmente , é feliz assim. Pena, também vi a entrevista com o Jô Soares e fiquei admirada com as histórias dele, com a simplicidade , mesmo sendo quem é- um ídolo querido por todos.
    Tenho muito carinho por ele, que apesar do incidente que lhe tirou uma perna , tem um sorriso e um coração sempre grande.
    E as músicas? são sempre atuais , nil vezes repetidas e nunca cansamos porque falam do sentimento mais importante das nossas vidas-o Amor.
    Obrigada pelo post que faz voltar as boas lembranças.
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Conceição,
    assim como a Lis eu também assisti a entrevista do Roberto no Jô e me admirei de ver nele a simplicidade de uma pessoa normal que assume seus problemas, seus limites e seus medos.
    Envelhecer, sim é claro ele envelheceu assim como todos nós. Mas ele o fez com dignidade.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…