Pular para o conteúdo principal

Eleições - Campanha

Devo aos meus amigos uma satisfação com relação a minha primeira candidatura.
Tive 674 votos. E sei que de altíssima qualidade. Agradeço muito a quem votou em mim. Honrarei um a um daqueles que me estimularam na urna eletrônica com o seu precioso voto. Lá estiveram por amizade, por amor, simpatia, companheirismo e amizade. Foi maravilhoso!

Aprendi que fazer campanha é uma coisa que não depende só de nome, ou de dinheiro. Depende de muitas coisas, principalmente de muito trabalho, apoio, acordos, "ajuda", festas, história e da vontade do partido.

Eu tinha muita curiosidade em saber como funcionava essa coisa e senti muito bem isso tudo que ninguém nos ensina. Não vou desistir, não gastei praticamente nada e tive algumas surpresas maravilhosas porque dei a cara para bater. Darei outras vezes, acredito que há muito o que se fazer para o bem comum. A vontade é importante em qualquer coisa na vida, e quando se é pura, sem vícios, é ela que nos faz evoluir um pouco mais.

Encontrei companheiros que gastaram muito dinheiro, tiveram um número de votos absurdo, e não entraram. A sensação quando isso acontece deve ser terrível, mas é sabido e previsível.

Vamos para o segundo turno com um certo alívio, e com a certeza de que demos muita asa às cobras e deixamos sempre para "aliviar" na hora "h". Dessa vez deu certo. Vamos seguir a luta.

Mais uma vez obrigada.

Comentários

  1. Imagino o quanto deve ser complicado e fico feliz que tenha essa disposição toda de continuar na luta. Teve meu voto e ele continuará sendo seu. Sou meio assim de pensar mas depois que dou meu sim...rsrs
    Agora é juntar forças para o segundo turno.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Conceição,

    desistir nunca!
    "O MAIOR CASTIGO PARA AQUELES QUE NÃO SE INTERESSAM POR POlÍTICA É QUE SERÃO GOVERNADOS POR AQUELES QUE SE INTERESSAM". ( Arnold Toynbee)

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Com todo o meu apoio. Para já é vitória. Depois logo se vê. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Conceição;

    A minha homenagem por toda essa coragem, força e confiança num futuro melhor.

    Mesmo que eu não tenha direito a voto, conte sempre com o meu apoio...

    bjs,
    Osvaldo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…