sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Orlando Duarte no Twitter


Agora Orlando Duarte, jornalista - especializado em esporte, escritor e historiador, tem o seu Twitter. Sigam-o

orlandoduarte_


terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Frase, Fase e Calor



foto de João Pedro, Bahia

Gente que calor é esse?
Pensando e vivendo o verão, criei uma frase:

O cara que inventou o ar condicionado, merece mesmo viver na maior frescura!

Fico imaginando o quanto é difícil viver num barraco, numa maloca nessa época de tanto calor. Estamos no dia 8 de fevereiro de 2011 e a terra parece uma bola de fogo!

Viver na rua, debaixo de uma viaduto. Ora faz frio, ora calor. O frio vem junto com a fome.
O calor pede água. Nos países onde é inverno agora, sabemos do rigoroso frio que está por lá. E eles tem toda a infraestrutura para administrar esse momento, assim mesmo acontecem as falhas.

O homem altera a natureza e a natureza altera o homem. Ficamos exageradamente irritados com o calor. Demasiadamente atentos com o frio. Os dois matam, é preciso tomar cuidado, sem falar da chuva que desabriga, mata e suja.

Temos que nos conscientizar cada vez mais, de que precisamos cuidar do planeta. Cuidar dos rios que margeiam nossas vidas e não despejar neles o lixo que se despreza.

Economizar água é preciso! Plantar uma plantinha, cuidar das árvores antigas, pois há um tanto delas cheias de cupim e que caem no meio da rua nessa época de verão, os acidentes são inúmeros, caem em cima de um carro, matam pessoas, casas ficam sem energia... A época de chuva, enfim, as "águas de março" não perdoam nada!

Sorte para todo mundo.
Para quem pode, muito refresco.
Hidratem-se! Tratem se.










terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Gravidez, tudo se repete e tudo é uma grande novidade

Amanheci feliz, pois, hoje minha neta faz cinco meses!

Ela é linda! Que maravilha quando olho nos seus olhos e ganho um sorriso. O mais sincero de todos. Sim, quando eles não querem sorrir, não há ninguém que arranque deles tamanha simpatia.

Ela é uma delícia de pessoinha e acompanho quase que diariamente o seu desenvolvimento. Novidades? Sempre. Há muito tempo não me divertia tanto. É muito bom conviver com as crianças, e observar as caras e bocas que fazem para expressar suas mais novas emoções e sensações. 150 dias! O que é isso diante de uma vida? E nós, (já) totalmente apaixonados e na torcida de um amanhã feliz para ela.

Confesso que ter uma filha grávida, não foi um sentimento confortavel para mim. Contei aqui que ela teve trombose e embolia pulmonar. Durante a gravidez tomou Clexane - diariamente. Olhamos para nossa cria e pensamos “Meu Deus, que nada de ruim aconteça”. Nesse instante, ainda sem nenhum laço estipulado com quem está lá dentro da barriga da mãe, nos preocupamos primeiramente é com o bem estar de quem carrega o bebê. Ora eu estava muito feliz com o desenvolver da gravidez, ora preocupada, e talvez, assim como ela, contei os dias para o nascimento com final feliz. Assim foi, tudo correu bem e agradeço a Deus, por essa benção que nos foi concedida.

Daqueles que eram avós, perguntava qual exatamente o sentimento que tinham por seus netos? De quem gostavam mais, dos netos ou do seu filho/a? E as respostas nunca me contentavam. Hoje acredito que é quase a mesma coisa senão for igual. Quando olhamos para os nossos filhos e vimos que agora eles teem os seu filhos, piramos ao quadrado. Não pode acontecer nada de ruim para os nossos netos, porque nossos filhos sofreriam demais. Então... estamos num mato sem cachorro. Gostamos deles, dos nossos netos infinitamente.

Certo é que com uma responsabilidade diferente, isso sim! Quem educa não somos nós, os avós. E quando nos metemos também, nem sempre somos ouvidos. Ah! filho de primeira viagem sofre. É laboratório. E ser bebezinho, não é fácil. Nos próximos, os pais relaxam e criam mais livremente seus rebentos.


Tenho muito a contar a respeito desse meu momento de apenas 150 dias. O que é novidade para mim, pode não ser para muitos de vocês. Assim é a vida e assim é o barulho que ouço daqui de cima do meu apartamento. Na Avenida Pacaembu, ouço gritinhos, um movimento cheio de energia, alegre... buzinas, gente falando, coisa de garotada. Fui ver o que era. São os meninos que cobram pedágio por terem entrado na faculdade, talvez na FAAP, ou ainda no Santa Marcelina, ou na PUC. Uma alegria vê-los saudavelmente “obedecendo” aos seus veteranos.

Essa juventude é maravilhosa se bem educada for. Todo ano a mesma coisa, estão por toda a parte. Quando sou parada por eles, digo: “Caramba! Vocês não são "Deus" mas parecem estar por todo lado!!” E lá vai um agradinho.

Desta vez, me sinto feliz e renovada por poder ouvir a bagunça dos jovens universitários nos sinais de trânsito desse Bairro, mas com a diferença de que agora, - sou avó! Quando tudo se repete na vida de todos nós. E que assim seja!