Pular para o conteúdo principal

Sintomas do amor que começam com a negação

                                                                                      Vivendo a vida.
                                                                                           Vivendo amores

                                                                                                Vivendo dissabores
                                                                                                     Vivendo coisas…

Quando pensamos que estamos imunes aos sentimentos do amor, somos pegos de surpresa. 
De hora pra outra passamos a nos sentir um pouco melhor,  dispostos, muito felizes e motivados, mais interessados pela vida e enxergando tudo um pouco mais bonito, com brilho maior em todas as coisas e de repente,  uma alegria constante se instala  em nós.

É como se tivessemos feito ginástica ou dançado muito numa deliciosa festa,  afinal, o hormonio da alegria se espalha trazendo inúmeros benefícios, e assim, a vida fica bela, cheia de emoções, - mesmo as mais simples trazem conforto e muita paciência. As dores do corpo e da mente, parecem desaparecer.  Tudo se torna muito mais leve.

No entanto, quando isso acontece com você numa idade ajuizada, mais vivída, ou ainda com alguma impossibilidade jurídica, ou pela falta de dinheiro, e ainda por ter prometido a você  mesmo, que seu foco a partir da última experiência seria outro:  como por exemplo, se meter apenas no trabalho, ganhar dinheiro… não cair em tentação, não desejar ninguém que trabalha com você...  

Lembrar que a última experiência causou imensa frustração e dor. Constatar que a vida nos obriga à novas acomodações. Nos faz dividir o  físico e o material.  Experimentamos coisas diferentes da vida quando no passado tínhamos uma casa, família, filhos, projetos. Ah! Que difícil. 
Mas isso tudo parece não bastar para nós. E lá vamos nós atiçar a vida.

Difícil mesmo é obedecer nosso corpo e torear nossa mente que sinaliza PERIGO e AVANÇO. 
Complicado é desobedecer nosso corpo que pede o PERIGO e  nos joga para o AVANÇO.

E vivemos a pensar assim… e vivemos sonhando assim:

"ah! aquele cara é lindo, gentíl, delicado, generoso, charmoso, tem um sorriso lindo, e seu corpo, seu olhar, seu comportamento me encanta!  Olho para ele o tempo todo! Me pego sendo observada também.  Estou perto dele,  e meu corpo me traí.  Estou longe dele, morro de saudades. Ele arranja a todo instante uma forma de estar grudado em mim.  A vontade que tenho é de colar nele, de beijá-lo, de abraça-lo, e sinto uma vontade imensa de ser íntima dele! Quero estar perto dele o tempo todo. Saímos, dançamos, nos encostamos, nos beijamos, nos olhamos… sinto seu cheiro! Gosto dele". 

Todos à nossa  volta, percebem  tudo que acontece entre nós.  Negamos! 

"Estou bem. Não estou apaixonada/o"  Nego!

"E para mim mesma, tento negar o que sinto. Tento negar a atração enorme que me tira do eixo. Tento negar a vontade de beijá-lo, de conhecê-lo mais e melhor". 

E vivenciando  uma vez mais essas sensações como se fossem pela primeira vez dentro e fora de mim,  me nego a dizer que é AMOR, o AMOR que sinto por ele...






Comentários

  1. Hi my loved one! I want to say that this article is amazing, great written and come with
    approximately all vital infos. I'd like to look extra posts like this .


    Here is my page www.hostgatorcouponsanddiscount.info

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…