Pular para o conteúdo principal

Entre Oslo e São Paulo



Depois de tanta violência neste país largado que é o Brasil, depois de tanta morte sem importância para o governo, depois de tanta escuridão nas ruas e na vida de cada um de nós… desisti de ler jornal, no entanto, não resisto aos domingos e hoje em especial, adorei algumas matérias do Estadão como a de Oslo/Noruega. Que maravilha de Capital, de cidade, que evidentemente mantém seu bonde e seus trens cheios de charme que podemos curtir vendo-os passar sentados numa mesa de um belo café  e tanto mais.

Estive em Oslo e fiquei encantada a começar pela beleza da população, limpeza da cidade e organização de tudo.

Uma amiga, a Beatriz Azevedo que mora lá, me levou por todo lado e contou como funcionava o governo - escrevi na ocasião por aqui, a respeito disso. 

Enquanto a Noruega está com os cofres abarrotados de dinheiro, apoiando os que por lá nascem desde o primeiro instante até a morte, eles ainda neste pequeno intervalo incentivam os pais a conviverem com seus filhos e o pai entra nesse prêmio, tendo quatro meses de licença "pai" - para adaptação da vida nova. Quanto conforto! 

A coisa não fica só no físico, todo santo mês, o cidadão recebe um cheque no valor de 200 Euros como ajuda para esse fim e recebem outros incentivos relativos aos filhos, por 16 anos! Lembrando que saúde e educação está incluído no contexto cidadão -  bancado evidentemente pelo governo. Muitos benefícos rolam para os cinco milhões de habitantes. Eles teem creches com toda tecnologia e comodidade para seus filhos e total tranquilidade para a vida dentro e fora de casa,  pois o salário mínimo  é  equivalente a de 14 mil reais, nada mal. 

Eles estão com tanta grana, que se dessem a metade para pagar a dívida da Grécia, ainda ficariam muito bem, vejam só! 

Enquanto isso, o Brasil cheio de dengue, não consegue atender seus pacientes nos hospitais públicos, pois o investimento na bendita educação não existe. E entender que é preciso manter uma casa limpa para se evitar muita doença, isso é questão de gestão, sim!  Mas, infelizmente, não é preocupação dos dirigentes dessa esculhambação que é o Brasil. 

Preparar um cidadão que despeja no rio seus colchões velhos, fogões, e até fetos quando abortam propositalmente não atinge os governantes que nós elegemos desde o passado até esses da atualidade, que parecem querer ver nossa gente como cobras rastejando pelo chão.

Fazer o cidadão não dirigir embriagado, também é uma questão de educação.

Manter uma cidade com policias, iluminação, condução e saúde, é também uma questão de gestão, de vontade, de educação que a cada dia comprovamos faltar na essência (cultura) dos nossos governantes.

Constatar a  cada linha de Jornal que lemos, que não se vê a luz no  fim do túnel é desesperador. Lembrando que a 100 anos, a Noruega era o país mais pobre da Europa. Hoje o mais próspero.

Será que um dia isto aqui, poderá ser assim? Ou mesmo na pobreza, a cabeça de quem estava por lá, era como a de agora na sua esência?! 

Hoje também lí que haverá bastante novidade no setor imobiliário. 
A começar com a construção onde as empresas se preocupam por exigência dos orgãos ligados a elas com a acústica de um apartamento por exemplo, com a temperatura deste imóvel para conforto de quem vive nele… Com a fachada… e até chegar no condomínio, nas obras feitas em cada apartamento e evidentemente a prefeitura! 

Chegamos mais uma vez nos dirigentes. A parada é que a partir de agora, será necessário informar o síndico a respeito das obras que faremos em nossas casas e ele terá que aprová-las!  Concordo. O que me chama atenção é que teremos que "registrar"  na prefeitura a nossa mudança. E conhecendo nosso governo, imaginei que logo mais, eles também cobrarão por isso.

Me parece o fim do mundo!!

Comentários

  1. Quando visitei a Noruega ( e não me limitei a Oslo ), achei tudo issoque falas, CON !
    E achei que é um país maravolhoso !
    Se não fosse o Inverno não ter fim. eu gostava de viver lá !

    Um beijo, querida Con !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…