Pular para o conteúdo principal

Casamento, decepcões e frustrações


Sabemos que viver junto com outra pessoa não é tarefa fácil. 
Sabemos também que o homem não vive sozinho. Ele insiste na divisão da companhia e no entanto, não se esmera. E a vida muitas vezes é tocada de forma infeliz, ou no automático, o que pode ser puro comodismo.

Sempre acreditei que viver com alguém pode ser muito bom, enquanto realmente é bom para os dois, e em seguida, para todos e se tiverem filhos então, nem se fala, caso contrário, um abraço! 

A vida é curta para dividirmos com um "estranho" o seu mal humor,  mal criações, frustrações, problemas que ele não sabe resolver, não quer e não procura ajuda.  A prepotência e a pretensão não nos levam a vencer o bem.

A verdade é que o dia a dia cansa a relação, nem tudo são flores,  a vida são momentos. Que tal fazer desses momentos a leveza para todos? Se você fizer uma analise da vida, vai perceber que os ruins estão nas ruas causando mal físico e psiquico para a sociedade. 

Nem sempre a inteligência humana permite isso, e os dias ficam pesados dentro de sua casa.  Lamentável.

Os filhos chegam,  e você é responsável por eles diante da vida, de Deus, do seu casamento e do seu carater, ou não?! Ou você é um super irresponsável? Imaturo. Não estava preparado? Azar seu! Se vira agora para dar o melhor. Ninguém pediu para nascer, isso é um clichê, mas como quase todos, verdadeiro.

Os filhos teem em seus pais a segurança, o exemplo, a imagem a ser construída e Oxalá, que não tenha que ser no futuro, destruída. Faça de tudo para eles serem melhor que você.

Muitas vezes nos casamos iludidos, apaixonados e essa é a alavanca para levar esse sentimento à cumplicidade. Quando atingimos o meio da vida, sabemos o quanto foi bom construir essa relação.  Na rua tem muita gente que não presta.

Casamento não precisa ser para sempre. É preciso ter dignidade para acabar com ele caso esteja te fazendo  algum mal. Só que para isso é preciso ser forte e ter um carater afinado, correto e a vontade!  Você não tem o direito de fazer uma casa infeliz, essa casa é feita de alma, de gente!

Se você é infeliz, complicado, egoísta, feio, vá se tratar. Não se castigue e nem castigue seu parceiro com sua incapacidade. Converse, fale, use a palavra e se expresse. Busque a solução.

Resolva as coisas enquanto elas estão no começo, todos teem direito a uma nova chance.

Seu parceiro já não sente mais o mesmo por você.  Seu egoísmo e silêncio mostraram a ele que a cumplicidade em dividir problemas, situações, e complicações são mal resolvidas. Com o parceiro você não divide nada, se fecha em copas?  Comportamento infantil, ruim e o caminho disso sabemos onde vai dar.  Para você, lá no final poderá ser uma surpresa, mas para os outros que estão de fora, e para o parceiro/a, não. As decepções vão aos poucos mostrando a realidade da relação e na desconstrução dela, uma das partes estará mais forte, embora seja feito dentro de todos, um imenso rombo. Para os filhos um grande estrago.
  

Seus filhos esperam de você AMOR. Seus filhos esperam que você chegue em casa trazendo paz, alegria, carinho. Traga você para eles, o melhor de você e não os problemas que eles ainda nem sabem que existe e não teem capacidade para entender. Não se considere o centro do universo. Problemas, todos nós temos.

Seus filhos, seu companheiro/a, sua família, precisam de você.  Do seu lado bom, do seu esforço em dar a eles não apenas e tão somente o luxo, as aparências, às custas, sabe-se lá, de que; mas sim, a essência do melhor que há em você. Por amor é possível sabia? Só por amor... Será que você tem esse amor? Senão, seria melhor não ter começado. 

As relações são feitas de interesses de alma também. Busque o amor que você encontrará o amor. Se mantendo distante, encontrará a distância e o que poderia ser vitória, será derrota. Acorda enquanto é tempo...


Comentários

  1. Muito bom o teu texto, CON !
    Uma análise e umas sugestões muito pertinentes.

    Um beijo, minha querida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…