Pular para o conteúdo principal

A rede e suas garras!

Incrível como a cada dia que passa gosto mais e mais disto aqui, da internet e suas oferendas.

Na contrapartida,  a cada dia que passa gosto menos do homem e do uso que faz com a palavra. Justamente ela que nos diferencia dos animais irracionais. Estranho isso, não é? Irracionais.  
As notícias ao redor do mundo, são assustadoras. A violência é global! Muita coisa pesada e muita gente má está à solta. Pior, existem aqueles que nos atacam fisicamente, sangrando nossa pele, e outros que atacam nossa moral. Ultimamente, os dois sentidos são uma doença da nossa sociedade, infelizmente.

A literatura seja ela popular ou acadêmica conta da carência das pessoas e da complexidade de cada indivíduo. É difícil lidar com o homem. Cada um reage de uma forma para cada situação e, o que para mim é tranquilo, pode ser para o outro um grande problema, ou uma frustração. 
Isso tudo é abobrinha, meu post é para dizer da pobreza que tenho visto nas redes sociais onde a escrita impera a comunicação, como  no Facebook, por exemplo.

Uma psicóloga especializada em educação  deu entrevista na rádio CBN  e contou que hoje em dia o conceito de sozinho, mudou muito.   Um menino que os pais consideram distante da família por estar enfiado no seu quarto, não se relaciona?  Acreditam seus pais que ele é fechado.  No entanto, ele está com o micro, ou celular se comunicando com o mundo, com vários amigos da classe, do colégio, vizinhos, alguns parentes e até escrevendo em outras línguas, pois a net não tem distância. Ela garante que o menino não tem problema nenhum, e que ele se relaciona sim, e muito bem com os outros. Só que por aqui...

E depois de 20 anos com um micro na minha frente, agora no colo ou no bolso, eu constato que ela tem toda razão. É real a comunicação virtual, é verdadeiro que estamos conectados com o mundo e com todos que simpatizamos, e fazemos  por aqui uma belíssima triagem daquilo que nos interessa e a partir daí, trocamos  nossas figurinhas.

É possível por meio da escrita, uma coisa tão antiga, conhecermos o carater de uma pessoa, para isso temos que ficar atentos. É verdade também que vem muito lixo junto com tanta coisa boa, com tanta informação e até reencontros.  Conhecemos pessoas por várias razãoes e colocamos essa gente na nossa rede, e aí conhecemos por meio dos posts, o que elas tem dentro delas.

O lado bom é sempre transparente, como a luz! O lado ruim, as vezes é sombrio, ora a pessoa amacia a "fala" ora se mostra ruim.  E é uma pena  ver o ser humano e suas garras afiadas - sempre prontas para o ataque, muitas vezes felino.  Para essas pessoas, tenho graças a experiência da vida, e os meus quase 60 anos, algumas formas de me defender.  Bloqueio, seleciono as mensagens que eles podem ver e me afasto aos poucos. Afinal, chego aqui sem eles, e posso terminar sem eles também, já passei da metade da vida.

Comentários

  1. Infelizmente o lado sombrio do sêr humano não se manifesta apenas no mundo virtual,CON. Estamos à mercê no nosso dia a dia e em qualquer lugar.
    Cabe a nós termos sabedoria para lidar,se possível,com isto.
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Querida CON

    Um belo texto que põe a nu muitos dos males do mundo.

    Um beiJOÃO.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, CON
    Vi seu perfil no GOOGLE + e resolvi visitar seus blogs, de que gostei bastante.
    Este texto é muito interessante e pertinente, já que trata do assunto talvez mais actual - a comunicação via Internet.
    Pessoalmente não tenho razão de queixa, pois neste meio fiz grandes e boas/bons amiga(o)s, e o convívio, quando bom, é salutar.

    Se quiser visitar meu blog (o principal é A CASA DA MARIQUINHAS) dar-me-á grande prazer. A minha assinatura funciona como link.

    Beijinhos

    Mariazita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não aprovo comentário ANONIMO!

Postagens mais visitadas deste blog

Pílula Anticoncepcional - Assassina!

Estou indignada por ler matérias em jornais e revistas onde jornalistas e médicos escrevem a respeito da pílula anticoncepcional como sendo o meio mais seguro de se evitar filhos, porém...

Nos programas de rádio e TV, a mesma coisa acontece. O que eles não abordam jamais, é o perigo que a pílula anticoncepcional causa para a mulher. (E nem todos os médicos tem essa preocupação com sua paciente).

Ainda hoje, dia 8 de Setembro li no caderno Folhateen - da Folha de S. Paulo, matéria de Jairo Bouer em sua coluna - SEXO E SAÚDE, onde ele aconselha como forma segura para se evitar a gravidez indesejada, o uso da pílula, e ainda escreve que, - menos de 20% delas são adeptas a isto, pedindo que se repense no caso, induzindo a mulher a usar a pílula.

Muito bem. O que as pessoas não sabem e não interessa dizer, é que a pílula e a reposição hormonal podem causar na mulher graves problemas como a TROMBOSE.

A trombose pode se transformar em uma EMBOLIA pulmonar conhecida como TEP - e isto pode matar…

Cozinhando com a faca na mão

Que coisa mais linda ver as crianças participando da vida como se fossem fazer suas próprias coisas, como a sua comidinha, ou arrumar seus deveres e sua caminha e coisas do  dia a dia. 
Lamento o fato de não termos alguns costumes  como temos por exemplo no Japão. Ví dia desses um filme das sobrinhas de uma amiga que nasceram lá e desde muito cedo,  na escola, elas todas trabalham com facas e aprendem a cortar peixes e a fazerem seus pratos tradicionais, rebuscados ou não. Eles acreditam que é interessante saberem mexer com o perigo, como o instrumento faca,  ensinado-as como manipular.  


 Eles tem total razão

Entrevista com Sérgio Viotti

O Jornal Modus Vitae, em Maio de 2007, conversa com Sérgio Viotti, quando ele interpretou um personagem da peça “O dia em que raptaram o Papa”. Viotti foi “Alberto IV”, um papa que imaginou ser por algumas horas, um transeunte comum pelas ruas de Nova York, mas o taxista que o levaria para a aventura - anônimo, judeu, o reconheceu prontamente e o seqüestrou.

O desenrolar da peça teatral de grande sucesso, é uma comédia, e Sérgio Viotti é mais que um ator, ele é mesmo o Papa. Procuramos essa “santidade” do teatro nacional, próximo aos seus 80 anos, e descobrimos que o “Papa” é mesmo pop.

Foi mais ou menos assim que abro a entrevista com Viotti, no entanto, é preciso dizer aqui, que eu me emocionei demais com a peça. Na verdade, muita gente se emocionou. Há momentos de total silêncio do público, e respeito, tamanha figura que ele travestido de PAPA representou.

Assisti a peça, no dia da estréia, algumas pessoas foram entrevistadas na saída ainda tomadas pela emoção. A TV Gazeta vem em minh…